terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Museus de História Natural em Portugal

Escrevi esta lista de museus de História Natural em Portugal para as Wikipédias em português e em francês. Antes que alguém a mude por lá, aqui fica ela imutável e com cronologia:

1768  Real Museu da Ajuda
1836  (transferido para a Academia das Ciências de Lisboa)
1858  Gabinete de História Natural da Escola Politécnica
1861  Museu Nacional de Lisboa
1926  Museu Nacional de História Natural
(1985  Museu de Ciência da Universidade de Lisboa)
2011  (fusão do MNHN com o Museu da Ciência da UL)
2011  Museu Nacional de História Natural e da Ciência, Lisboa

1772  Gabinete de História Natural da Universidade de Coimbra
1885  (divisão em 4 secções independentes ou museus de facto [ref])
  1885  Museu Botânico da Universidade de Coimbra
  1885  Museu Zoológico da Universidade de Coimbra
  1885  Museu Antropológico da Universidade de Coimbra
  1885  Museu Mineralógico e Geológico da Universidade de Coimbra
1991  (fusão dos 4 museus num só)
  1991  Museu de História Natural da Universidade de Coimbra
2006  Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, Coimbra

1859  Museu Geológico, Lisboa

1876  Museu Açoriano
1914  Museu Carlos Machado, Ponta Delgada

1898  Museu do Aquário Vasco da Gama, Oeiras (Dafundo)

1929  Museu Regional da Madeira
1933  Museu Municipal do Funchal
19??  Museu Municipal do Funchal (História Natural)
2010  Museu de História Natural do Funchal, Funchal

1984  Museu da Lourinhã, Lourinhã

1996  Museu de História Natural da Universidade do Porto, Porto

2002  Museu Botânico da Escola Superior Agrária de Beja, Beja

2009  Museu de História Natural de Sintra, Sintra


Em Angola e Moçambique:

1938  Museu de Angola
1975  Museu Nacional de História Natural, Luanda

1913  Museu Provincial
1932  Museu Dr. Álvaro de Castro
1974  Museu de História Natural, Maputo

2001  Museu Nacional de Geologia, Maputo

2 comentários:

Portugalredecouvertes disse...


Encontramos valiosa informação no seu blogue! às vezes penso na grande riqueza imaterial que podemos encontrar nas bibliotecas antigas portuguesas e que será pouco valorizada

Miguel Pires Prôa disse...

Caro Portugalredecouvertes,

Obrigado pelo amável comentário. Fico sempre contente em saber que o que eu ponho neste blog é interessante e útil para outras pessoas para além de mim próprio.

É verdade, sem dúvida, que existe uma grande riqueza nas bibliotecas portuguesas (imaterial, talvez, mas principalmente material), mas não sei se está assim tão pouco valorizada. Está até bastante disponível, especialmente com os arquivos digitais, por exemplo, da BNP e da Biblioteca da Universidade de Coimbra, que eu uso bastante. O que há é muita coisa, muito mais do que a que consegue ser estudada! São 900 anos (ou mais...) a acumular documentos. Nem que a Torre do Tombo pudesse acomodar 1000 investigadores de cada vez a estudar uma caixa de documentos se havia de descobrir tudo que lá está!

Bem haja e bon courage,

Miguel